sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Gêneros e tipos textuais

   É comum a confusão que se faz na definição do que é gênero e do que é um tipo textual. Isto se deve porque este tema entrou nos currículos muito recentemente,como informa a profª Maria Luiza, em resposta à sua aluna, no fascículo Gêneros e Tipos Textuais.
Sempre que nos manifestamos linguisticamente o fazemos por meio de textos, sejam eles curtos ou longos, escritos ou orais. Neles, as ideias são organizadas das mais diversas maneiras, de acordo com a finalidade para que são criados. Isto quer dizer que cada texto realiza um gênero textual. Daí chamamos um texto de bula de remédio, outro de carta, outro de email,etc.
Os gêneros textuais estão vinculados à vida social e cultural de um povo, são fenômenos históricos.
Os tipos são definidos e classificados por seus traços linguísticos predominantes
O leque de classificação dos gêneros textuais é muito maior que o dos tipo. Os tipos são apenas quatro ou cinco, assim classificados: o narrativo, o descritivo, o argumentativo, o expositivo(por alguns considerados apenas como dissertativo), o injuntivo ou instrucional.
   Devemos inserir em nossas atividades de leitura e interpretação de textos "pistas" para que os alunos identifiquem os gêneros. Não é preciso que façamos uma lista destes gêneros, é bom que se faça uma análise com o conhecimento de mundo e nossa experiência com a linguagem. Desde a primeira infância aprendemos a reconhecer e utilizar os gêneros textuais, reconhecemos o que é sememlhante e o que é diferente. Veja por exemplo, quando uma criança pede para você contar uma história para ela, se você ler uma receita culinária, ela com certeza não vai aceitar a sua história, pois saberá que não é do gênero que pediu.
Essa nossa competência sociocomunicativa é que nos dá a capacidade para perceber quando devemos organizar um texto de uma maneira ou de outra.
Sabemos que um texto é diferente de outro porque já vivemos situações que nos orientam para reconhecimento do gênero. Por isso sabemos quando estamos diante de um cardápio, de um romance, de um bilhete, de um email, de um blog, etc.
O gênero é mais uma questão de uso do que de forma linguística. A classificação dos gêneros textuais é aberta e varia de acordo com as culturas e necessidades históricas. Com o advento do computador, muitas novas formas de comunicação foram criadas e os emails, blogs, chats por exemplo, são gêneros da sociedade atual. Podemos então dizer que as competências sociocomunicaticas não são aprendidas apenas intuitivamente, mas são também aprendidas e ensinadas na escola.
Recebi hoje duas interessantes receitas culinárias: uma atual e outra do século XVI. Cada uma delas em um formato diferente, porém com a mesma finalidade: dar as instruções de preparo de como assar uma perdiz e a outra, um bolo. Os dois textos são do gênero receita e neles encontramos os tipos descritivo e injuntivo.
Os textos deverão sempre ser classificados de acordo com a finalidade maior para a qual foram produzidos. As músicas por exemplo, são escritas sob forma de poema, mas foram feitas para serem cantadas, por isso são do gênero canção e não poema.
Concluindo, devemos reconhecer as situações de comunicação para definir os gêneros textuais e analisar como um texto foi organizado linguísticamente para  poder definir o seu tipo.

4 comentários:

Elisete disse...

Que bom poder conhecer o seu blog. Realmente esses dois últimos encontros nos mostraram que o conceito de gênero e tipo textual sempre foi ensinado equivocadamente e nós ensinamos também assim aos nossos alunos. Sempre é tempo de aprender algo novo. É uma pena que agora esteja frequentando o curso no turno vespertino, mas espero te rever qualquer dia. Beijos: Elisete.

Professora Tamar Rabelo disse...

Lucilene,
De fato, os usos lingüísticos se dão na interação e não de forma estanque. Acredito que uma das formas de ensinar os vários usos da linguagem e seus vários níveis, ou seja, a roupagem que cada texto deve utilizar em situações de mais ou menos formalidade, é trabalhando os vários gêneros textuais. É mais importante convencer nossos adolescentes da necessidade de usos formais da língua, do que impor uma gramática artificial. E isso só será possível quando eles visualizarem as várias possibilidades da linguagem e o uso social de cada gênero textual.

Elisete disse...

Que bom que gostou. Eu agradeço e saiba que também estou achando falta de vocês. Nem a foto deu tempo de tirarmos. Saiba que usar a tecnologia não encanta somente nossos alunos, mas a nós professores também. Depois que aprendemos a usar essas ferramentas, nossa vida se torna mais prática e rápida. Beijos e até qualquer dia.

François Dessoles disse...

Excelente artigo (Gêneros e tipos textuais). Valeu!